ZN-FILOSÓFICA

sexta-feira, 26 de junho de 2015

A TV QUE VOCÊ VÊ NÃO TE VÊ





Por: Claudio Fernando Ramos, 23/06/2015. Cacau “:¬)


 Vitimado por acidente automobilístico, na noite passada morreu um, ao menos para nós (eu e meu alterego), desconhecido cantor do chamado sertanejo universitário. Porém, não é essa a razão, nem é esse o motivo pelo qual nos colocamos a redigir essas linhas. Como já fizemos crer anteriormente, até a data de hoje o nome: Cristiano Araujo (que Deus o tenha), nos era total e completamente desconhecido. A razão e o motivo pelo qual escrevemos nascem do uso sensacionalista que as emissoras estão fazendo do fato, ou seja, da morte do jovem cantor e de sua namorada. A maior emissora do país, não necessariamente a melhor, depois de já ter noticiado o acidente em dois de seus jornais (Bom Dia Brasil e Jornal Hoje), mais uma vez nos roubou a já pouquíssima paciência com mais uma dose do mesmo; só que desta vez no sempre inexpressivo e melancólico programa da tarde intitulado: Vídeo Show. O programa de imbecilidades, dono do recorde de maior rotatividade de apresentadores da TV brasileira, abriu a sua programação da tarde de hoje (23/06) totalmente pautado no ocorrido (talvez eles consigam com esse triste e lamentável episódio, ganharem aquilo que em circunstâncias normais seria impossível: audiência). Não bastasse a notícia já dada, narrada, comentada, mastigada, especulada, regurgitada... Uma apresentadora de um dos programas de variedade da emissora, Ana Maria Braga, aparece ao lado de seu Papagaio de Pirata com a seguinte chamada escrita em letras garrafais: “Madrinha” de Cristiano Araujo... Pelo que pudemos ver e ouvir ela desconhecia a existência dele tanto quanto nós, isso ficou claro quando, ao lado da apresentadora (em um programa recuperado), depois ter sido arguido sobre o tempo em que já vinha cantando ele lhe respondeu: tenho dezessete anos de carreira. Cristiano Araujo, segundo ele mesmo, nasceu em uma família de músicos, e no dia em que foi ao programa (Mais Você) já contava com quase duas décadas na chama “estrada”. A partir dessas informações nos colocamos a matutar: madrinha do quê, afinal de contas? Madrinha de TV? Haveria também essa modalidade de apadrinhamento? Não sei bem, mas acho que o nome disso é outra coisa: TOPA TUDO POR AUDIÊNCIA.

Quantas pessoas relevantes no campo das artes e da cultura em geral já nos deixaram nos últimos anos? Várias, não é mesmo? Quantas delas receberam 1/3 da mídia que esse jovem cantor está recebendo? Analisando friamente, você acredita mesmo que toda essa comoção midiática nasce unicamente da perda precoce de um “talento” nacional? Todo esse espetáculo verborrágico possui respaldo cultural, ou seja, foi-se um talento ímpar, insubstituível, inquestionável? É tão somente por isso que muitos estão sendo induzidos a sofrerem, chorarem e lamentarem?

Os homens da TV sempre sabem o porquê de veicularem uns fatos bem mais que outros. Nós, espectadores, é que quase nunca sabemos o quê, o porquê e o para quê assistimos tantas bobagens e inutilidades (com essas palavras não estamos nos referindo à morte do rapaz).

De tudo isso só uma certeza resta ao idiotizado telespectador: até o próximo domingo já se sabe qual será a pauta da televisão brasileira! Sem medo de errar: 1ª A seleção brasileira de futebol  e sua pífia campanha na Copa América (se ganhar); 2ª A trágica morte do jovem cantor sertanejo; e 3ª Qualquer outra tragédia que ocorra até domingo (que em se tratando de Brasil é mais certo do que chuva no Estado de São Paulo). Cacau “:¬)