ZN-FILOSÓFICA

domingo, 26 de maio de 2013

O único cego é aquele que não quer ver






Por: Claudio Fernando Ramos, 26/05/2013. Cacau ":¬)


"Tanto não tenho contas no Exterior, que vou passar uma escritura - o primeiro que encontrar a conta, o dinheiro é dele. O primeiro que encontrar algum dinheiro na minha conta ou na conta da minha mulher, o dinheiro é dele."  (Paulo Maluf)
Essa figura, no mínimo folclórica, se diz perseguida pelos políticos e justiça brasileira, "Nem mesmo Juscelino Kubitschek foi tão injustamente investigado”. Para mim, esse cidadão é, dentre todas as figuras públicas desse imenso país, a que melhor representa o povo brasileiro. Essa identidade é composta por uma longa lista de vicissitudes, mas uma só sobrepuja todas as outras: hipocrisia. Segundo o saudoso cantor, compositor e “filósofo” Tim Maia, o hipócrita é sempre o pior de todos mentirosos, porque mente para os outros e para si mesmo.
No caso de Maluf, isso fica comprovado em dois momentos distintos, mas que miseravelmente se completam: primeiro, ainda é possível vê-lo fazendo campanha nos meios de comunicação pelo país; segundo, como se não bastasse, ele e seu partido (PP) fazem parte da base de apoio do Governo Federal, ou seja, apoiam o governo do ex-ético PT (detalhes: sou eleitor do PT). Grande povo brasileiro, é preciso dizer mais alguma coisa?
É por essas e por outras que sempre digo: sou mais Maquiavel! Cacau “:¬)

Em seguida temos duas reportagens publicadas no Jornal Estado de São Paulo.


Jersey manda 1,45 mi de libras de Maluf para SP


                                                                                                        Paulo Maluf (Foto: Agência Estado)



A Corte da Ilha de Jersey repassou 1,45 milhão de libras (cerca de R$ 4,5 milhões) de empresas offshores ligadas à família do deputado Paulo Maluf (PP-SP) para os cofres do município de São Paulo. A liberação ocorreu nesta sexta feira, 24, para uma conta dos advogados da Prefeitura, em Londres. Na próxima terça feira (28) - segunda é feriado na capital inglesa - os advogados vão providenciar a transferência do valor diretamente para o Tesouro paulistano.
A quantia faz parte do montante global de US$ 28,3 milhões - cifra atualizada com juros e correções, além de multas - que a Corte de Jersey mandou as empresas Kildare e Durant, controladas pelos Maluf, devolverem até junho aos cofres públicos municipais. O dinheiro das offshores está bloqueado em uma instituição financeira e será todo transferido para São Paulo.
Maluf foi condenado em Jersey por "fraude em ampla escala" - segundo o Ministério Público paulista, quando exercia o cargo de prefeito de São Paulo, entre 1993 e 1996, Maluf desviou dinheiro de grandes obras viárias, como a Avenida Águas Espraiadas.
A Justiça de Jersey concluiu que Maluf sabia que o dinheiro depositado nas contas de fundos em nome das empresas era de origem fraudulenta e que ele e seu filho Flávio enriqueceram ilicitamente. Para a Justiça de Jersey, Maluf foi "o fraudador e também o arquiteto e principal beneficiário das estruturas que receberam e mantiveram os fundos".
Maluf sempre afirmou que nunca possuiu ativos no exterior. Ele nega ter desviado recursos públicos de obras em sua gestão. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Maluf ignora sentença e é multado em R$ 2,1 mi


A 3.ª Vara da Fazenda Pública de São Paulo multou o deputado federal Paulo Maluf (PP-SP) em R$ 2,1 milhões pelo descumprimento de uma sentença judicial. A Justiça multou Maluf por ele não ter feito o depósito de uma condenação definitiva por improbidade administrativa. O valor é relativo a 10% dos R$ 21,3 milhões que o ex-prefeito de São Paulo foi obrigado a pagar por dano ao erário pelo episódio que ficou conhecido como "escândalo dos precatórios" - envolvendo títulos públicos municipais durante a sua gestão (1993-1996).
Na decisão publicada ontem, a juíza Liliane Keyko Hioki negou um recurso no qual Maluf sustenta que não deveria pagar a dívida da ação aberta após uma representação feita em 1996 por petistas, entre eles o atual ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo. O PP, partido de Maluf, integra a base aliada ao governo federal.
Segundo Liliane, a dívida já deveria ter sido paga em outubro do ano passado depois que os recursos contra a condenação por improbidade se esgotaram. Para questionar o valor cobrado, disse a juíza, Maluf deveria já ter depositado o dinheiro após a decisão transitar em julgado.
No recurso, a defesa do deputado alega que os juros referentes à condenação seriam menores, o que rebaixaria o total do débito a R$ 15 milhões. Além disso, Maluf argumenta que em outra ação - contra a corretora Negocial S/A Distribuidora de Títulos e Valores Imobiliários - já foram transferidos R$ 13,1 milhões, que seriam para quitar a mesma dívida.
Esse outro processo foi aberto a pedido do Ministério Público, em 2011, na 12.ª Vara da Fazenda. O promotor Saad Mazloum indicou que a empresa é uma das 15 corretoras e instituições financeiras que participaram de operações financeiras durante a gestão de Maluf na Prefeitura, julgadas ilegais no escândalo dos precatórios. Para a defesa de Maluf, a Justiça deve compensar a sua condenação com os valores que teriam sido pagos no outro processo.
A juíza da 3.ª Vara da Fazenda, no entanto, considerou que não ficou demonstrado que houve qualquer tipo de pagamento. Ela também afirma que não há prova de que o dinheiro exigido da corretora pelo Ministério Público tenha qualquer relação com o depósito que Maluf deveria ter feito à Justiça. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

sábado, 25 de maio de 2013

Afinal de contas, qual é a razão da existência?



Por: Claudio Fernando Ramos, 25/05/2013. Cacau ":¬)


Mesmo sem uma resposta objetiva essa é a única pergunta, em toda a existência, que faz sentido!

Roberto Carlos, descontando o seu dogmatismo característico (crenças religiosas), em uma de suas composições, foi maravilhoso. Com a música Pensamentos, formulou a maior de todas as proposições humana: qual a razão de estarmos aqui?


“[...] Pensamentos que me afligem
Sentimentos que me dizem
Dos motivos escondidos
Na razão de estar aqui
E eu penso
Nas razões, na existência
Contemplando a natureza nesse
mundo
Onde às vezes
Aparentes coincidências
Têm motivos mais profundos [...]”


Se você, a exemplo da maioria dos que se importam, tem a mesma questão diante da vida, ouça essa bela canção e assista o último filme de Ridley Scott: Prometeus (o dois já está sendo rodado).

Um bom momento filosófico para você. Quanto a mim, continuo em minha saga pessoal; minha odisseia particular, dolorida e solitária; semelhante àqueles que inconformados com o estado de todas as coisas, da caverna de Platão teimam em sair. Cacau “:¬)

Link da música (vídeo e letra):