ZN-FILOSÓFICA

terça-feira, 16 de dezembro de 2014

DIA-A-DIA DO CONSUMIDOR

Por: Claudio Fernando Ramos, 16/12/2014. Cacau “:¬)
Sou cliente do Supermercado Nordestão há mais de quinze anos, desde que vim mora nessa linda cidade: Natal. O que mais admiro na rede é a sua variedade e a sempre boa qualidade no setor de hortifruti. Porém, há um sério problema na loja do conjunto Santa Catarina! De tempo em tempo, a exemplo do que faz minha namorada na casa onde moro, os chefes dos setores mudam as coisas de lugar; com isso o cliente sofre para achar as mercadorias. De pessoa autônoma, pois se sabia onde as coisas estavam, passa-se a pessoa dependente: onde está isso e aquilo? Para piorar, não se encontra um repositor disponível para ajudar e nem adianta buscar ajuda nos caixas e empacotadores, por conta das constantes mudanças, eles também não sabem! Afinal, a quem interessa tanta “mudança”? Ao cliente é que não é! Cacau “:¬) 

sábado, 29 de novembro de 2014

ALEGRIA DE “SER” AMERICANO

Por: Claudio Fernando Ramos, 29/11/2014. Cacau “:¬)



Eu deveria estar magoado, futebolisticamente falando, afinal o América do RN não só aplicou uma inusitada goleada no meu Fluzão, em pleno Maraca, mas também o desclassificou da Copa do Brasil. Porém, as piores coisas do mundo são o egoísmo e a ingratidão! Como eu posso, apesar dos pesares, ficar magoado com um time que nesse ano só meu deu alegrias? Não entendeu? Calma, eu explico. Quando o Fluminense veio jogar na Arena das Dunas, pela copa do Brasil, me disseram: seu time não ganha do América aqui (em Natal)! Paguei para ver; resultado: ganhei 72 latas de cerveja. Passado um período de tempo, me disseram: o América F. C não será rebaixado para a série “C” do Campeonato Brasileiro este ano (2014). Paguei novamente para ver; resultado: bom o resultado você já sabe! Como você pode perceber,  no ano corrente o América de Natal deu-me mais alegrias do que tristezas. Amanhã, na casa do meu amigo Aloísio (dono do Barretos Bar), tomarei algumas cervejas relacionadas ao jogo na Arena; na próxima segunda tomarei (no Bar de Carrilho – Mercado na Praia da Redinha) às relacionadas ao rebaixamento. Como é comum aqui no RN, o primeiro se diz torcedor do América e do Vasco ao passo que o segundo, afirma torcer pelo América e pelo Flamengo. Apesar de ser apenas Tricolor das Laranjeiras  eu gostaria de convidar você leitor, para juntos tomarmos essas cervejas, principalmente se fores americano, afinal de contas se não fosse o seu América eu nada teria ganho! Cacau “:¬)

domingo, 23 de novembro de 2014

Como surgiu a Sociologia


A Revolução Francesa (França, 1789) e a Revolução Industrial (Inglaterra, 1780 a 1860) são conhecidas como o cenário para o surgimento da Sociologia. A Europa estava sofrendo grandes mudanças, transformando a vida social da população, dando ênfase no processo de industrialização e urbanização da sociedade Capitalista que ali se implantava. Foram desfeitos alguns costumes e tradições, como a família patriarcal, a servidão e o trabalho manufatureiro, dando início à indústria capitalista.

A importância da Revolução Industrial no surgimento da Sociologia

Com a Revolução Industrial, as localidades devido a um crescimento demográfico significativo, acabavam por não disponibilizar para seus habitantes uma boa infraestrutura. Ao que tange moradias e serviço de saúde, as civilizações deixavam a desejar para aqueles que saiam do campo e vinham tentar a vida na cidade. Um importante crescimento que houve na época, sob um ponto de vista, foi na área de técnicas produtivas e na introdução da máquina a vapor, que proporcionava mais comodidade para os trabalhadores do ramo. Por outro lado, a substituição da energia humana pela energia motriz, das ferramentas pelas máquinas, bem como a produção doméstica pelo sistema fabril, trouxe alguns prejuízos para as famílias que começaram a se encontrar desempregadas. As consequências da rápida industrialização não foram as melhores possíveis, já que aumentos na criminalidade, alcoolismo, violência, prostituição e surtos de epidemias de tifo e cólera foram rapidamente constatados. Estas interferências terminaram por exterminar uma fatia considerável da população.

Já na Revolução Francesa, o objetivo era fazer triunfar os ideais seculares, como liberdade e igualdade sobre a ordem social tradicional, fazendo com que essas idéias se espalhassem pelo mundo. A antiga forma de sociedade (Ancien Regime) foi abolida, promovendo muitas transformações na política, na vida cultural e na economia do país, não havendo mais as instituições  aristocráticas e  tradicionais, possibilitando igualdade entre todos os cidadãos perante a lei. Muitas das explicações baseadas na religião passaram a receber criticas e serem suplantadas por pensamentos racionais e lógicos, radicalmente mudando do modelo teocêntrico (Deus) para o antropocêntrico (Homem).


O surgimento dos primeiros sociólogos

Os primeiros sociólogos procuravam entender o estado de organização da sociedade em formação, sendo o século XVIII muito importante para o surgimento dessa ciência profunda e complexa, a qual é estudada e analisada até os dias de hoje. Todas as transformações que ocorreram na época trouxeram consigo problemas para a vida em comunidade, daí surge a Sociologia e seus pesquisadores para esclarecerem e organizarem as mudanças ocorridas no meio social, juntamente com os processos que interligam os indivíduos em grupos, associações e instituições. O termo Sociologia foi criado por Auguste Comte, em 1838, que pretendia unificar a Psicologia, a Economia e a História, levando em consideração que todos esses assuntos giram em torno do homem e seu comportamento. Mas os fundamentos sociológicos só foram institucionalizados com Karl Marx, Émile Durkheim e Max Weber, pensadores renomados que se tornam base para nosso estudo.

http://www.sociologia.com.br/surgimento-da-sociologia/

quinta-feira, 20 de novembro de 2014

Valeu Zumbi!

Por: Claudio Fernando Ramos, 20/11/2014.

Imagem de Zumbi dos Palmares, litoral de Aracaju - SE 2014.
As virtudes e/ ou os vícios nas ações diárias de um homem, não importando quem ou o quê ele seja, só podem ser  plenamente conhecidas se sua origem não for desprezada! Cacau “:¬)

Ouviu-se um grito na “floresta” do nordeste brasileiro, era Zumbi dos Palmares, chamando à liberdade do quilombo, seus filhos desumanizados pelos algozes da existência racial! Ainda hoje, 20 de novembro 2014, é possível ouvir os ecos desse sagrado chamado! Seu chamado insiste em ribombar nas mentes e corações afrodescendentes dessa nação. Por conta disso hoje é feriado!  Não tenho em mente um mero feriado legislativo, refiro-me, antes de tudo, ao feriado das consciências, ao feriado da alma de um povo que não quer, não pode e não deve  se esquecer de sua origem, sua história,  seu valor!  Decido gritar de volta! Meu grito há de superar os vários anos já passados! Transcendendo toda lógica e temporalidade conhecida, esse grito atemporal chegará aos ouvidos dos meus ancestrais que há muito jazem em repouso: Valeu Zumbi; Zumbi valeu! 
Essa é a minha convicção, essa é a minha gratidão, essa é a minha homenagem! Cacau “:¬)

sábado, 25 de outubro de 2014

EGYLE

Por: Claudio Fernando Ramos, 25/10/2014. Cacau “:¬)
Egyle Nascimento, esse é o seu nome. Como é comum na Região Nordeste desse país, ela também recebeu mais um desses nomes inusitados. Passei anos, na condição de seu professor, tentando pronunciar esse nome sem cometer gafes, inútil. Mas uma montadora de automóvel veio ao meu socorro. Sou muitíssimo grato!  Assim que lançaram um determinado modelo, me foi possível, finalmente, pronunciar o nome de minha mais cara aluna sem cometer maiores deslizes. A rigor, o nome da minha amiga (Egyle) não é o mesmo do automóvel (Agile); mas, como se pode perceber, ajudou um bocado. Propagandas de carros, cervejas, bancos e telecomunicações são coisas fartas nas mídias nacional. Pela primeira vez uma delas me trouxe algum beneficio direto.
Brincadeiras à parte, estou aqui para homenagear uma das minhas melhores alunas; esse melhor não está necessariamente relacionado ao rendimento numérico da mesma (notas e médias escolares); mas, principalmente, aos valores e princípios que o seu ser encerra.

Exerço, como alguns já sabem, docência na área da filosofia, omiti intencionalmente o verbo ensinar porque soa estranho demais; segundo Kant, pensador alemão do século XVIII, filosofia não se ensina, quando muito ajudamos as pessoas a filosofarem. E é exatamente isso que essa jovem vem fazendo sem maiores dificuldades nos últimos anos. Platão disse que filosofia não é para todo mundo, se ele está correto, essa deve ser a razão pela qual poucos querem gastar tempo pensando. Contrariando a postura pragmática do populacho, a jovem Egyle deseja, a exemplo dos dogmáticos, encontrar-se com a verdade; mas também não aceita, a exemplo dos céticos, as verdades já estabelecidas. Essa postura simples e significativa, faz toda diferença. Alguém já disse que são as perguntas que movem o mundo e que a filosofia nasce do espanto.

Nasci em uma época em que os jovens se faziam representar; já na década de oitenta, as luzes desse período começaram a se apagar juntamente com os últimos acordes do rock pop Brasil; na década seguinte, a de noventa, os sonhos de uma ex-gloriosa juventude já estavam comprometidos!


Hoje, mesmo não podendo prever o que virá a seguir, o que por hora vislumbro não me traz bons auspícios. Porém, se alguns dos jovens, com quem lido diariamente, desenvolverem pela vida e pelo conhecimento postura semelhante à dessa menina de nome exótico, nem tudo estará perdido! Se assim for, é bem possível que outra primavera, semelhante à de Praga, faça florescer incontáveis jardins no interior dos corações juvenis. Cacau “:¬)        

sexta-feira, 24 de outubro de 2014

SE NÃO ESCOLHER É RUIM, ESCOLHER ERRADO É PIOR!


Por: Claudio Fernando Ramos, 24/10/2014. Cacau “:¬)


Você quer mesmo saber em quem vou votar no próximo domingo?
Pois é... Complicou!
Por mais estranho que possa parecer, eu também gostaria de saber alguma coisa sobre isso!

No cenário nacional, não sinto saudade alguma do passado tucano, salvo em alguns poucos aspectos; todavia, não estou nem um pouco satisfeito com o presente petista, salvo em alguns poucos aspectos também!

Para piorar, a situação no cenário estadual não é nada promissora: aqui no RN, temos dois burgueses/oligarcas se auto-intitulando representantes dos anseios populares.
Papais Noéis dos pobres!
Até que faz sentido, não demora muito entraremos em dezembro.
Já tivemos o coelho da Páscoa, agora é a vez do bom velhinho.
Se tudo o que está sendo prometido, nos dois níveis de governo, for cumprido ao menos 2/4, o Brasil vira Suécia!
  
Não é da ignorância que nascem as minhas dúvidas, ao contrário, é exatamente pela sua ausência que agora sofro!
Se eu tivesse a passionalidade dos apaixonados...
A ignorância dos incautos...
A utopia dos sonhadores...
A alienação dos fragilizados...
Esse, sem sombra de dúvida, seria o meu melhor momento!
Seria a minha hora de acreditar que é possível mudar, sonhar, transformar... Fazer história decidindo, por meio do voto, o destino da nação!
Mas, como já disse um pensador Iluminista (Rousseau): “inocência”, o homem só possuiu quando viveu no suposto estado de natureza (O Bom Selvagem); em outras palavras, a vida em sociedade, a propriedade privada e os governos despóticos, degeneraram os homens de modo irreversível.
Portanto, segundo o pensador contratualista, a inocência foi inexoravelmente perdida!


Bem... Ainda não sei em quem vou votar, mas de uma coisa já tenho certeza: “nunca antes na história desse país”, a opção pelo voto branco ou nulo se mostrou tão atraente e sensata! Cacau ":¬)

sexta-feira, 10 de outubro de 2014

Tenho medo de Urano (PSDB), não confio em Saturno (PT)!

Por: Claudio Fernando Ramos 10/10/2014. Cacau “:¬)


 Depois de adulto, sempre votei! Tento, na medida do possível, ser coerente não só com o que acredito, mas, principalmente com as coisas que faço.



Cidadania é como humanidade, não nascemo com elas, precisamos desenvolvê-las!



Partidos como PSDB, PMDB, Democratas (antigo PFL) entre outros (chamados de direita ou de centro direita) nunca receberam (ao menos de forma direta, salvo em caso de coligações partidárias) o meu voto, e, duvido muito que um dia receberão (só o tempo dirá).

Na condição de filho de mulher negra (duplamente discriminada: mulher e negra), solteira (tendo que fazer a vida sozinha) e pobre (trabalhando como diarista nas casas da classe média na capital fluminense), nunca me senti representado pela classe política (oligarquia) que, desde o fim do Império (1889), controla esse país.

A exemplo do que narra a mitologia greco-romana, essa nação sempre possuiu deuses que devoram os próprios filhos nos instantes seguintes ao nascimento.

O mito Greco-romano nos conta que o Céu (Urano) uniu-se à Terra (Geia), tiveram filhos, mas esses, assim que nasciam, o pai (Urano) os mandava de volta para o interior do seio materno e lá ficavam em regime de perpétua clausura.

No início da década de oitenta, próximo da redemocratização do país (ocorrida em 1985), um partido despontava no cenário “pluripartidário” nacional, o PT. Originário das forças operárias, diversos grupos de esquerda (sindicatos, igreja e trabalhadores) se uniram em pró de uma ideologia comum: eleger pessoas que governassem visando não só os interesses das corporações e classe dominante.

Depois de protagonizar intensas disputas contra Collor (uma vez) e FHC (duas vezes), o PT finalmente chegou ao poder na pessoa de Luiz Inácio Lula da Silva ou, simplesmente, Lula. Depois de governar por oito anos, o partido conseguiu eleger a primeira mulher da história desse país. Hoje, nas vésperas de mais um escrutínio, o partido tenta a sua quarta eleição consecutiva.

Mas o mito greco-romano não termina com a clausura dos recém-nascidos. Um dos filhos preso (Saturno, também conhecido como Cronos, o senhor do tempo) revoltasse contra o tirânico pai (Urano) e, em nome da liberdade, castra-o; liberta todos os irmãos e, em seguida, toma o poder que havia sido do pai e passa a governar sobre todos. No entanto, desconfiado e temeroso com a possibilidade da perca do poder, aprisiona todos os seus irmãos nas trevas e passa, de forma implacável, a devorar os próprios filhos, assim que esses vêm à luz.


Conhecendo essa antiga história, não consigo deixar de relacioná-la ao contexto histórico da política nacional.

O Brasil sempre teve seus Uranos; atualmente vem tendo os seus Saturnos!

Prisioneiros que éramos, devorados que somos!

Olho para o candidato Aécio Neves e vejo a encarnação de Uranos! A volta de Uranos (PSDB) talvez implique em mais clausura para os “libertos” filhos de Geia (a classe trabalhadora). Todavia, com a manutenção do que aí está, Dilma Rousseff, é provável que só façamos alimentar o devorador de todas as coisas, o voraz Cronos (PT).

Tenho medo de Urano (PSDB), não confio em Saturno (PT)!


Antes, não podíamos votar; depois, não sabíamos em quem votar; hoje, tudo está muito pior, não sabemos por que votar! Cacau “:¬)