ZN-FILOSÓFICA

segunda-feira, 21 de maio de 2012





Música para quê?

Por: Claudio Fernando Ramos Natal-RN, Maio 2012  Cacau ":¬)


                                          Herrera, jogador argentino do Botafogo do Rio.



(O filósofo francês Sartre disse: O homem está condenado a ser livre! Será mesmo?)

Parabéns para o Herrera (Argentino)! Como ele só vi mais dois jogadores, que na sua grande maioria são uns sem noções, terem opiniões formadas, ou seja, não se deixarem dominar por essas pantomimas televisivas: Louco Abreu do Uruguai e Dejan Petkovic da Sérvia. Os atletas, na sua grande maioria, esmeram-se por: chutar bolas na trave para ganhar risonhos bonecos de plásticos; ensaiam coreografias ao som de pagodeiros e duplas sertanejas, com a finalidade de dar significado a descartáveis e insípidas canções; dedicam-se a marcar um mínimo de três gols, para desfrutar do “incomensurável” prazer de pedir a música de sua escolha na Revista Eletrônica Dominical e por aí vai (que dureza!). A ironia sofrida pelo atleta argentino no programa dominical da emissora e a descabida crítica feita pelo jornalista, inconformado talvez pela declinação ao vivo do jogador, em um site de relacionamento; demonstra bem a mentalidade da rede de TV, que quase sempre mantém, com relação a quase tudo nesse país, ares de imperadora. Quem constantemente diz defender e ter defendido a liberdade e a democracia nesse país de caudilhos, deveria saber estender esses benefícios aos outros sem distinções. Mesmo o atleta não tendo escolhido música alguma (Herrera), lhe indicaram uma, não sem antes destilar o sarcasmo característico dos poderosos contrariados. O esporte brasileiro que, salvo em algumas modalidades, há muito tempo anda de bengalas, necessita de muito mais do que essas tristes comédias dominicais. Aplausos à lucidez dos jogadores estrangeiros; quanto aos atletas brasileiros, penso que já passou da hora de deixarem de ser bobos da corte. Cacau “:¬)

                                    Imagens do uruguaio Louco Abreu e do sérvio Petkovic.

 Cacau  “:¬)