ZN-FILOSÓFICA

sexta-feira, 29 de novembro de 2013

O Conhecimento Científico





Um problema muito comum com o qual nos deparamos quando falamos sobre conhecimento científico é a visão deturpada que permanece na cabeça de muita gente: somente grandes gênios são capazes de fazer ciência. A ciência é vista como atividade de um pesquisador, geralmente imaginado como um cientista maluco, isolado do mundo, um CDF, um "nerd", que passa os dias trancafiado num laboratório, fazendo experimentos para descobrir alguma geringonça diferente das máquinas existentes. Vejam, por exemplo, a imagem do cientista nas revistas em quadrinhos: o modelo de cientista é o professor Pardal, ou nos programas infantis de TV, o cientista é representado pelo Dexter, com o seu laboratório mirabolante.

Ao lado dessa concepção de cientista existe uma outra não menos pior: a idéia de que todo mundo faz pesquisa científica. Virou moda. É muito comum se falar nas escolas, nas empresas, nos livros ... que hoje a grande solução dos problemas e o diferencial no perfil do profissional é a pesquisa. O aluno, o professor, o profissional, todo mundo deve ser um pesquisador. Muitas vezes, sem ser preparado para isso. Lembremos os famosos trabalhos, chamados de pesquisas, que nós fizemos na escola: o professor dava um tema e nós copiávamos dos livros e revistas, muitas vezes sem entender sequer o significado do que estava sendo transcrito. Hoje, a "pesquisa" mudou: algumas pessoas acham que basta "pesquisar" alguns sites e fazer uma boa montagem das informações disponibilizadas pelos recursos da tecnologia via Internet, a conhecida "cola virtual".

Gosto da idéia de que para se construir conhecimento científico é preciso ter inspiração e muita transpiração. Não precisa ser maluco ou nerd. Não precisa ser um sujeito especial, com rituais e espaços especiais. É necessário saber que conhecimento científico exige método de estudo e pesquisa. Portanto, é um conhecimento metódico. Método é caminho, é estrada para se chegar a algum lugar. Quem caminha sem definir o rumo, pode chegar a um lugar indesejado. Não se faz conhecimento científico como quem vai à feira. Não basta ler um ou outro livro. A leitura de vários livros acadêmicos sobre o assunto é algo indispensável para poder comparar, avaliar as diferentes idéias sobre a questão.

O conhecimento científico é um dos tipos de conhecimento usados por nós para estudarmos os acontecimentos, os fenômenos da natureza, os fatos sociais, o nosso organismo etc. de forma organizada, sistematizada e metódica. Enquanto o senso comum está baseado nas experiências cotidianas, sem aprofundamento e ligado aos dados captados imediatamente, sem reflexão, o conhecimento científico depende da organização metódica das informações e da interpretação desses dados.

No entanto, isso não significa que o senso comum seja um conhecimento sem valor e sem sentido. Pelo contrário, o senso comum tem um sentido vital muito grande. Ele é fruto de uma organização, mesmo que superficial e sem análise profunda, das idéias adquiridas no cotidiano das pessoas.

A ciência também se caracteriza por ter objetos específicos a serem pesquisados. Cada área do conhecimento científico (sociologia, biologia, geografia etc.) possui o seu objeto de estudo específico exatamente para aprofundar o máximo possível na sua pesquisa. A extensão da realidade é muito grande, o que leva cada ciência a escolher (definir) uma parte dessa realidade para ser seu objeto (questão) de estudo. Porém, hoje há uma tendência muito forte que busca interligar os conhecimentos científicos adquiridos para se evitar que cada ciência fique isolada. Os pesquisadores estão procurando trabalhar de forma conjunta para que as descobertas de uma área contribuam no aperfeiçoamento das outras áreas do conhecimento científico.

O importante em nossa reflexão sobre o conhecimento científico é o reconhecimento da necessidade de todo profissional ter uma sólida formação acadêmica. O conhecimento científico constitui uma base para o profissional agir conscientemente, sem achismos, sem preconceitos, sem decisões fundamentadas no "ouvi dizer". A sua prática será refletida e pesquisada continuamente, o que garantirá uma visão mais ampla da realidade vivida.