ZN-FILOSÓFICA

quinta-feira, 3 de janeiro de 2013

QUEM ESPERA SEMPRE CANSA!


(VÍDEO PRECONCEITUOSO CONTRA NORDESTINOS)

 Por: Claudio Fernando Ramos, Natal-RN 03/01/2013 Cacau “:¬)

http://www.youtube.com/watch?v=zcd3Y8ICQ4s

Eu, tão Carioca quanto Negro e minha namorada, tão Nordestina quanto Brasileira!
  
Somente por duas vezes, em toda a minha vida, saí desse país. Porém, foram suficientes para que eu pudesse vivenciar o afastamento necessário e, de forma neutra, se é que isso é possível, pensar o Brasil de fora para dentro. Mensurei, comparei, e, assim pude chegar a  conclusão sobre quem ou o que de fato nós somos. Alegres, criativos, espontâneos, otimistas... Assim é essa nação! Mas, infelizmente, essa não foi à única conclusão a que cheguei. De forma antagônica esse mesmo povo é, também, sórdido, mesquinho, hipócrita, machista, racista e, acima de tudo, preconceituoso.
Falar, escrever, ensinar sobre essas últimas verdades não é tarefa das mais honrosas nessas paragens. É estranho perceber alguns constantes fatores: tanto nas cidades como nos interiores, os que possuem avós indígenas, não “sabem” que ser neto constitui grau de parentesco; os que descendem de africanos, teimam em afirmar que a África tem uma “capital” chamada Salvador (sendo esse o ponto máximo que podem se aproximar da Grande Mãe África); nortistas (Norte/Nordeste) que migram para o Sudeste, rapidamente se livram do sotaque, como quem se livra de um estorvo; brancos, em si mesmados, tentando, a todo custo reproduzir na zona tropical, o mesmo estilo de vida próprio da zona temperada do norte do planeta.  
Por essa e por outras,  nos outorgaram: uma democracia racial (a cor não importa); uma isocracia política (o poder é para todos); uma isegoria social (todos têm direito a opinião) e uma isonomia religiosa (todos somos filhos de Deus). Tudo muito sedutor!  Mas, basta um olhar mais atento para concluir, sem muito esforço, que tudo é muito falso!
Esse vídeo que vos apresento é a prova mais cabal sobre o que falo. Todavia, não se deixem enganar, não mais! Não é este ou aquele indivíduo que, de forma isolada, constitui o problema da bela e justa nação brasileira; não, nada disso. Isso é herança, é identidade, é estilo de vida, são escolhas. É, antes de qualquer coisa, tudo o que somos. Um povo com pouca ou nenhuma identidade.
Dessa vez o alvo são os nordestino, mas temos os negros, os homoafetivos, as mulheres, os gordos, os magros, os analfabetos funcionais, os totalmente analfabetos, os idosos, as crianças, os profissionais do sexo, os desempregados, os pobres, os que vivem nas favelas e periferias... Falta tempo para elencar todos.

Só para não dizer que não falei das flores. Cacau “:¬)